Minha Escuridão

Ontem pela manhã eu cavava um abismo
Não um desses que se espera que em algum momento
se possa alcançar o fim.
Era uma cratera, bela pela magnitude mas nada além
meu abismo particular

Ao anoitecer meu corpo já era o próprio abismo
O fundo dos meus olhos refletia
toda a grandeza do vazio que cabe em mim
Tudo era escuridão e a vida como a conheci 
misturava-se a noite

Hoje pela manhã quando acordei
meu corpo pendia sobre um abismo
Não é como seu eu estivesse lá
Eu estava de fato,
todo eu pendurado e prestes a cair
Quase me arrebentava em conjecturas
sobre como fui parar ali
como cavava, se cavava e porque?

Agora meu corpo despenca pelos ares
enquanto o meu espírito mortificado pela catarse
rodopia em uma enganosa sensação de liberdade
não há nada de livre em cair
Meu corpo cai e não exerço qualquer influência
sobre a gravidade que me subjuga

Fui o homem dos abismos, os conheci de muitas maneiras
e ainda assim me encerro sem nada de proveitoso saber 
a respeito nem das quedas, das trevas ou de mim.
Anúncios

Um comentário sobre “Minha Escuridão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s